"M´18"
CÁTIA PINHEIRO & JOSÉ NUNES (ESTRUTURA)
  • M18
  • M18
  • M18
  • M18
  • M18
  • M18
  • M18
  • M18
  • M18

SINOPSE
Sous les pavés, la plage.

Debaixo dos paralelos, a praia.

Cinquenta anos depois do Maio de 68, a Estrutura propõe-se olhar para esse movimento e criar um espetáculo que pretende pensar o conceito de revolução, nos dias de hoje.

“Sous les pavés, la plage” era um dos slogans do Maio de 68. Uma alusão à areia que se escondia debaixo das pedras que eram retiradas do pavimento das ruas para erguer barricadas ou para responder à repressão policial, mas também uma representação simbólica dos sonhos 68 – descobrir uma praia debaixo do peso bruto das pedras que representavam o “velho regime”.

Que gesto foi esse de uma geração que em 68 se revoltou em França (e um pouco por todo o mundo) contra a repressão e o autoritarismo? E hoje? Será que é possível pensar o conceito de revolução nos mesmos moldes? Ou será que, como nos diz o filósofo Byung-Chul Han, a revolução não é mais possível porque “o poder que estabiliza os sistemas já não funciona através da repressão, mas através da sedução”?

Propomo-nos analisar este paradoxo, criando um espetáculo que procura compreender que “praia” é esta que sobrou, 50 anos depois, que corpos (pós-revolucionários e pós-utópicos) são estes que a habitam, e quais as marcas (nostálgicas) que neles ficaram.

Afastamo-nos de uma ideia de “espetáculo histórico”, porque nos interessa mais a relação com a herança de 68 na contemporaneidade do que o acontecimento histórico em si. Recuperando outro dos slogans mais reconhecíveis de 68, propomo-nos a ser realistas, exigindo o impossível.

FICHA ARTÍSTICA
  •   CRIAÇÃO: Cátia Pinheiro e José Nunes

  •   INTERPRETAÇÃO: Cátia Pinheiro, José Nunes, Mariana Magalhães, Tiago Jácome e Xana Novais

  •   CENOGRAFIA: Cátia Pinheiro

  •   FIGURINOS: Jordann Santos

  •   DESENHO DE LUZ: Daniel Worm d’Assumpção

  •   SOM: Vasco Rodrigues

  •   VÍDEO E IMAGEM DE DIVULGAÇÃO: António MV

  •   ASSISTÊNCIA: Tiago Jácome

  •   APOIO AO MOVIMENTO: Marco da Silva Ferreira

  •   COLABORAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: Rogério Nuno Costa

  •   APOIO TÉCNICO: Pedro Nabais

  •   PRODUÇÃO: Natasha Bulha Costa

  •   COPRODUÇÃO: Estrutura e Teatro Municipal do Porto

  •   APOIO: República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes

  •   RESIDÊNCIAS: Teatro Campo Alegre, 23 Milhas – Ílhavo (Fábrica das Ideias da Gafanha da Nazaré) e Circolando – Espaço de Criação Transdisciplinar

  •   AGRADECIMENTOS: Companhia Instável, Milícia Urbana Indoor Paintball, Paulo Correia, João Barroso, Mafalda Banquart, Joana Barroso e José António Noya Ares

  •   DURAÇÃO: 60 minutos (aproximadamente)

  •   CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: (M/16)

    CALENDARIZAÇÃO:
  •  25 e 26 de Maio de 2018 [ESTREIA], Teatro Municipal Rivoli, Porto
  •  22 de Junho de 2018 – Casa da Cultura de Ílhavo